Após morte, família de Pouso Alegre passa por nova via-crúcis para liberar corpo - Pouso Alegre ON

Ultimas

Post Top Ads

Post Ads

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Após morte, família de Pouso Alegre passa por nova via-crúcis para liberar corpo

 Imagem: Reprodução / Minas em Foco
A família da faxineira Simone Cristina de Souza, de 44 anos, que morreu na Santa Casa de Ouro Fino, após passar por uma cirurgia, reclama que teve de passar por via-crúcis para conseguir liberar o corpo, na sexta-feira (29).


Segundo a família, Simone Cristina faleceu por volta das 10h de sexta-feira, após passar por uma cirurgia simples de hérnia e vesícula na quarta-feira (27) e, o médico só liberou o corpo de Simone às 20h30. De acordo com o esposo da vítima, o médico José Maria de Melo responsável, ainda não teria ido até a Santa Casa durante o dia, para realizar os procedimentos para liberar o corpo da esposa.


 A família da faxineira ainda registrou o boletim de ocorrência por uma possível negligencia médica. No registro policial o esposo da vítima aponta uma possível negligencia médica por parte do médico José Maria de Melo, responsável pela cirurgia. O médico ainda é apontado, após ele informar o esposo que Simone precisaria realizar um exame médico, porem teria que pagar por ele. A família  vai pedir que seja feita uma autópsia para verificar a real causa da morte.


A reportagem do Minas em Foco, entrou em contato com a Santa Casa de Ouro Fino, que emitiu uma nota. 


Veja a nota:
A Casa de Caridade expressa a sua solidariedade à família da Sra. Simone Cristina de Souza e informa que os fatos foram registrados junto à Ouvidoria do hospital e que as providências administrativas já estão sendo adotadas para a apuração do ocorrido junto à Comissão de Verificação de Óbitos e Núcleo de segurança do paciente e que, em breve, os resultados serão enviados para a Comissão de Ética Médica e para o Conselho Regional de Medicina. 



A missão da Instituição é promover, recuperar e manter a saúde das pessoas prestando serviços humanizados, com a máxima eficiência, para salvar vidas, por isso, se realmente for constatado que houve omissão ou falha no atendimento, o hospital não se furtará às suas responsabilidades, nem aos seus deveres, inclusive o de cobrar a responsabilização de quem quer que seja, principalmente para evitar a repetição de agravos dessa natureza para os usuários dos seus serviços.  

Colocamos nos a disposição para o que se fizer necessário.
Obrigada,


        Iara Apª Fonseca Paiva
Casa de Caridade de Ouro Fino MG
       Diretora Administrativa

Por Toni Oliveira @jornalistatonioliveira ) É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial